Differences

This shows you the differences between two versions of the page.

Link to this comparison view

Both sides previous revision Previous revision
ser300:sobre_trabalho_de_curso_-_leticia [2007/05/11 17:01]
150.163.3.119
ser300:sobre_trabalho_de_curso_-_leticia [2007/05/20 19:57] (current)
miguel
Line 6: Line 6:
     ver nela como montar um experimento ( com avaliação objetiva - métricas ) que possa dar a resposta.     ver nela como montar um experimento ( com avaliação objetiva - métricas ) que possa dar a resposta.
     As vezes ( muitas vezes) menos é mais. É hora de precisar termos e precisar os processos para que      As vezes ( muitas vezes) menos é mais. É hora de precisar termos e precisar os processos para que 
-    o experimento para demosntrar sua hipótese possa ser construído. lembre-se é preciso que tenhamos+    o experimento para demosntrar sua hipótese possa ser construído. lembre-se ​  ​é preciso que tenhamos
     entrada de dados, manipulação ( com uso de procedimento de inferência geográfica ) , produção de saída     entrada de dados, manipulação ( com uso de procedimento de inferência geográfica ) , produção de saída
     e análise final. Não consegui identificar alguns destes elementos ainda neste parágrafo.     e análise final. Não consegui identificar alguns destes elementos ainda neste parágrafo.
Line 13: Line 13:
 #2 #2
  
-Realmente a descrição do trabalho não permitiu identificar alguns elementos. Desta maneira, vou detalhar um pouco mais os objetivos do trabalho: ​+     Realmente a descrição do trabalho não permitiu identificar alguns 
 +     elementos. Desta maneira, vou detalhar um pouco mais os objetivos do 
 +     trabalho: ​ 
 + 
 +     1) produzir uma mapa de densidade de cobertura do solo a  
 +        partir de imagens CBERS (dado de entrada) 
 +     2) obter mapa de tipos de solos na região adjacente ao reservatório  
 +        (dados de entrada) 
 +     3) criar classes de turbidez a partir de medidas in situ  
 +        coletadas em 200 estações amostrais do reservatório (dado de entrada) 
 +     4) gerar um mapa de cobertura do solo 
 +     5) gerar classes de turbidez 
 +     6) cruzar o mapa de cobertura do solo e o mapa de solos,  
 +        gerando as classes de vulnerabilidade dos solos 
 +     7) gerar um buffer das classes de vulnerabilidade dos solos 
 +     8) e por fim fazer uma tabulação cruzada entre as classes  
 +        de turbidez e o buffer gerado 
 + 
 +#2 
 +     Oi Leticia, vamos lá agora: 
 + 
 +     1) produzir uma mapa de densidade de cobertura do solo a  
 +        partir de imagens CBERS (dado de entrada)- 
 +        Significa um MAPA DE COBERTURA VEGETAL OU DE USO E COBERTURA?​ 
 +        Me parece que é de cobertura vegetal, entao seria  
 +        densidade ( tipo de cobertura/​área certo? 
 +     4) gerar um mapa de cobertura do solo (OU SERIA DENSIDADE de COBERTURA?​) 
 +        Neste caso seria derivado dos parametros do mapa de pedologia?  
 +        Pois não é o mesmo MAPS extraído do CBERS, certo? 
 +        Mas acgho que entendi. Na fase (10 voce esta apenas extraindo  
 +        a cobertura e em (4) criando o mapa de cobertura , é isso?? 
 + 
 +   ​Geral:​ acho que vai bem. Apenas tente o máximo possivel  
 +   não usar apenas uma análise booleana, seus dfados de amostras de  
 +   ​turbidez devem permitir a geracao de superficies numericas  
 +   e nao categoricas. So corte quando for inevitavel!
  
-1) produzir uma mapa de densidade de cobertura do solo a partir de imagens CBERS (dado de entrada) 
-2) obter mapa de tipos de solos na região adjacente ao reservatório (dados de entrada) 
-3) criar classes de turbidez a partir de medidas in situ coletadas em 200 estações amostrais do reservatório (dado de entrada) 
-4) gerar um mapa de cobertura do solo 
-5) gerar classes de turbidez 
-6) cruzar o mapa de cobertura do solo e o mapa de solos, gerando as classes de vulnerabilidade dos solos 
-7) gerar um buffer das classes de vulnerabilidade dos solos 
-8)e por fim fazer uma tabulação cruzada entre as classes de turbidez e o buffer gerado