Você está em Curso "População, Espaço e Ambiente" :: Trabalhos

PopEA - População, Espaço e Ambiente: CST-310-3 e SER 457-3

Trabalhos Finais 2020


Tabela Síntese

Aluno TEMA Seminário-Contribuição Pergunta Relações PEA Contexto/conceitos Objetivo geral e específico(s) Área de Estudo Escala e Unidade de Análise Base de Dados Procedimentos Metodológicos e Análises Resultados Conclusão
Adriano Ferreira Caracterização socioeconômica da população exposta ao crime nos distritos policias de São José dos Campos. Construção de uma proposta metodológica para desagregação de dados de crimes para caracterização socioeconômica da população localizada em diferentes distritos policiais em São José dos Campos. Como se caracteriza a população em diferentes níveis de exposição ao crime nos distritos policiais de São José Campos? A unidade espacial de estudo são os distritos policiais da cidade de SJC. O ambiente pode ser descrito como a exposição da população ao crime obtida por meio da análise de crimes de cada unidade espacial de estudo. A caracterização da população, exposta ao crime em cada unidade espacial, será obtida por meio da análise dos dados dos setores censitários. Conceitos: Risco, Risco a crime, Exposição a crime. Geral: Caracterizar a situação socioeconômica da população quanto a diferentes níveis de exposição a crime na cidade de São José dos Campos. Específicos: 1) Desagregar os dados de crimes em diferentes distritos policiais; 2) Desagregar os dados do censo em diferentes setores censitários; 3) Relacionar os dados de crimes com os dados socioeconômicos dos setores censitários para realizar a caracterização da população. Cidade de São José dos Campos - SP Escala: municipal (escala cartográfica 1:250.000); Unidade de análise: Distritos policiais. Censo 2010 - IBGE; Dados de crimes: SSP-SP; Dados socioeconômicos: IBGE e Secretaria municipal de Urbanismo e Sustentabilidade.
Anielli de Souza Análise do censo agropecuário de 2017: Desagregação espacial considerando diferentes métodos. Construção de uma base metodológica para desagregação espacial dos dados do censo agropecuário 2017.Como desagregar os dados do censo agropecuário? Quais métodos são mais adequados para desagregar esse tipo de dado? Não existe uma única forma de produção e nem de utilização da terra na Amazônia. Da forma como que o dado do censo agropecuário se apresenta, não é possível identificar a heterogeneidade da produção, das formas de utilização da terra e outras características em escala da paisagem, assim é necessário o desenvolvimento de metodologias para trabalhar em outras escalas e poder caracterizar os sistemas produtivos. Conceitos: sistemas produtivos; uso e cobertura da terra; espaço celular. Objetivo geral: Desenvolver uma metodologia de desagregação dos dados do censo agropecuário para o espaço celular de 2x2km². Esp1: Identificar a metodologia mais adequada para desagregação espacial desse tipo de dado e escala; Esp2: Compreender as limitações advindas da desagregação espacial. Municípios de Mocajuba e Cametá. Escala: municipal (escala cartográfica 1:250.000); Unidade de análise: Células de 2x2km².Censo agropecuário 2017-IBGE
Bruno Adorno Qualidade dos parques/bosques oferecida a habitantes de diferente sexo, faixa etária e nível de renda de Goiânia. Conceito de justiça-socioambiental, alocação dos parques x distribuição populacional (índice de Gini, análise de Cluster hierárquico) e acessibilidade pela população Considerando parques e bosques de Goiânia, quais infraestruturas proporcionam, como se distribuem nas diferentes regiões da cidade e como impactam os habitantes quanto faixa etária, sexo e renda? Qualidade dos parques (ambiente) em diferentes regiões de Goiânia (espaço) habitadas por pessoas de diferente faixa etária, de sexo e renda Contexto: Acessibilidade a parques/bosques, exemplo de espaços aberto público, por diferentes grupos populacionais (apoio na discussão UN Habitat, ODS 11.7.1); Conceitos: parques/bosques - categoria do plano diretor associados a um decreto específico. Qualidade: caracterizadas a partir do diagnóstico da AMMA. Justiça socio-ambiental (Low 2013); Acessibilidade: definido por raio de influência - plano diretor de goiânia Geral: Avaliar qualidade e acessibilidade dos parques e bosques em diferentes regiões de Goiânia, habitadas por diferentes grupos populacionais. Esp.1: Distribuição de parques e bosques qualificados segundo diagnóstico da AMMA. Esp 2: Estimar o número de habitantes de diferentes grupos, por região e dentro de raio de influência dos parques.Regiões administrativas da cidade de Goiânia Cadastro urbano do MUBDG e Censo IBGE (1:2000 - 1:10000); resultados agregados por região administrativa População: Censo IBGE 2010; Parques e malha viária e regiões: MUBDG; Pontos de ônibus (RMTC); Qualidade dos parques: AMMA
Diovana Silva ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA NA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL Urban expansion and its impact on water security: The case of the Paraíba do Sul River Basin A expansão projetada de áreas urbanizadas dentro da bacia, juntamente com o aumento das demandas de água, podem comprometer a segurança da água para consumo humano na bacia do Paraíba do Sul nas próximas décadas? RMVPLN
Isabela Ramos O processo de conurbação urbana e desigualdade socioeconômica: São José dos Campos e Jacareí Uneven geographies: Exploring the sensitivity of spatial indices of residential segregation. Divisa entre os municípios de São José dos Campos e Jacareí
Lucas Oliveira Relação entre a emissão de luzes noturnas dos setores censitários da RMVPLN e as características sócio-econômicas da população residente e do espaço geográfico desses setores Poverty Evaluation Using NPP-VIIRS Nighttime Light Composite Data at the County Level in China As pessoas que vivem em setores mais iluminados apresentam melhores condições sócio-econômicas e tem acesso a mais ou melhores serviços? Contexto: Municípios da RMVPLN no ano de 2010; Conceitos: Pobreza, Urbanização, acesso a serviços básicos (educação, saúde, segurança) Objetivos: fazer uso dos dados do Censo 2010 e dados de luzes noturnas do sensor VIIRs para (1) classificar os setores censitários conforme a média de radiância de luzes noturnas; (2) caracterizar e encontrar padrões de características da população residente em cada classe de acordo com a composição dos moradores nos domicílios, a estrutura etária, a razão de gênero, escolaridade e o acesso à energia elétrica, esgotamento sanitário via rede geral de esgoto ou pluvial e (3) discutir as diferenças entre as características das populações observadas em cada classe e a relação delas com o meio ambiente e o espaço urbano. RMVPLN Escala: Setor censitário, Unidade de Análise: classes de emissão de luzes noturna Processamento dos dados: Criação de mosaico de luzes noturnas, classificação dos setores censitários ( a definir se por média ou soma de luzes) e espacialização dos dados do Censo 2010 conforme os setores censitários. Método de análise dos dados a definir
Maíra Matias Caracterização dos atores e dos domicílios envolvidos nas áreas potenciais de Agricultura Urbana e Periurbana (AUP) da Sub-região 1 da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (RMVPLN). Conceitos e abordagens sobre Agricultura Urbana e Periurbana; Método de pesquisa survey para caracterizar os agentes envolvidos com a AUP: características demográficas, socioeconômicas e estratégias de subsistência de cada família. Qual é o perfil demográfico e socioeconômico dos atores envolvidos com Agricultura Urbana e Periurbana na Sub-região 1 da RMVPLN? Esse perfil é semelhante às características nacionais e internacionais encontradas na literatura? Contexto: Características de AUP nacionais e internacionais: mulheres como força motriz da AUP em muitos países, agricultores urbanos provenientes de famílias de baixa renda (FAO, 2014) e baixo nível de escolaridade (Santandreu & Lovo, 2007) / Conceitos: Urbano; Rural; Cidade; Agricultura Urbana; Agricultura Periurbana. Geral: Caracterizar a população envolvida nas áreas potenciais de AUP dos municípios da Subregião 1 da RMVPLN. / Específicos: 1. Analisar a população residente nessas áreas potenciais de AUP (idade, razão de sexo, cor ou raça, rendimento médio e alfabetização) 2. Analisar as características dos domicílios (próprio ou alugado, média do número de moradores em domicílios, domicílios com abastecimento de água e rede de esgoto) 3. Comparar os resultados com os dados obtidos na literatura. Municípios da Subregião 1 da RMVPLN Grade Estatística IBGE 2010 (em análise): 200x200m (urbano); 1x1km (rural) IBGE: Censo 2010 / PNAD Contínua/ Censo Agropecuário 2017 - CNEFE
Marcelo Augusto dos Santos Junior Riscos socioambientais a desastres por eventos extremos na Região Metropolitana de Manaus por meio de índices compostos sintéticos. Alternativas metodológicas para a elaboração de índices de riscos e vulnerabilidades a partir da agragação de diferentes dados constituindo uma avalição com uso de multi-indicadores. Qual o risco socioambiental associado a desastres ocasionados por eventos extremos relacionados a deslizamentos e movimentos de massa, enchentes e inundações, e incêndios para os municípios da Região Metropolitana de Manaus? Os riscos de desastres são processos socioambientais acumulados ao longo do tempo, que estão relacionados com mudanças nas condições sociais, econômicas, ambientais e no uso da terra, e sua ocorrência depende de um conjunto de fatores, situações e aspectos, naturais, sociais e econômicos, que impactam de diferentes formas os territórios e as sociedades. Nos modelos de avaliação de riscos aplicados no território brasileiro os indicadores sociais e sociodemográficos foram os mais utilizados, respectivamente 44% e 33%, enquanto os indicadores econômicos e ambientais são os menos usados, com respectivamente 13% e 10%. Metodologias multidisciplinares de avaliação das vulnerabilidades precisam reduzir essa desproporcionalidade a fim de aprimorar o entendimento sobre as conexões de causa e efeito em torno da produção social do risco de desastre. Geral: Avaliar os riscos socioambientais relacionados a deslizamentos e movimentos de massa, e enchentes e inundações, e incêndios florestais por meio de índices compostos sintéticos para a Região Metropolitana de Manaus; Específicos: a. Elaborar três índices de risco socioambiental, um para cada desastre considerado, enchentes e inundações, deslizamentos e movimentos de massa, incendios florestais; b. Elabora um índice de risco socioambiental global/final que reúna os três índices anteriores. Região Metropolitana de Manaus, composta pelos municípios de Autazes, Careiro Castanho, Careiro da Várzea, Iranduba, Itacoatiara, Itapiranga, Manacapuru, Manaquiri, Manaus, Novo Airão, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva e Silves. Os dados matriciais serão trabalhados com tamanho de célula de 90m x 90m, os demais dados serão trabalhados na escala final da proposta que é municipal. SRTM: altitude, declividade, orientação do relevo, amplitude altimétrica, perfil do relevo; PRODES e MapBiomas: uso e cobertura da terra; Worldclim: temperatura e precipitação; FVA: ramais (estradas não oficiais) e sedes urbanas; DNIT: malha viária oficial; SIPAM: Tipo de solo; SIPAM, ANA e LBA: hidrografia, amplitude interfluvial, densidade de drenagem; IBGE: dados populacionais, educação, saneamento básico, renda, acesso a água potável e energia elétrica do censo demográfico de 2010 e Pesquisa de Informações Básicas Municipais, MUNIC 2017; FIRJAN: Índice FIRJAN de desenvilvimento municipal; Atlas Brasileiro de Desastres Naturais e S2ID: população afetada, os óbitos e a ocorrência dos desastres relacionados a deslizamentos e movimentos de massa, enchentes e inundações e incêndios florestais; IPEA: Mapa das Organizações da Sociedade Civil. Representando as ameaças usarei mapas de suscetibilidade ambiental a ocorrência de deslizamentos e movimentos de massa, enchentes e inundações e incêndios florestais considerando ameaças naturais e antropogênicas. Na estimativa da suscetibilidade a movimentos de massa as variáveis utilizadas serão amplitude altimétrica, declividade, uso e cobertura da terra, tipo de solo, precipitação, perfil do relevo, amplitude interfluvial e densidade de drenagem. A suscetibilidade a enchentes e inundações será calculada fazendo uso das variáveis de altitude, declividade, uso e cobertura da terra, precipitação e tipo de solo. O risco de incêndios florestais será estimado por meio das variáveis altitude, declividade, uso e cobertura da terra, temperatura, precipitação, orientação do relevo, distâncias das estradas, dos ramais e das sedes urbanas. Na concatenação das variáveis para formar os mapas de suscetibilidade utilizarei a Análise Hierárquica Ponderada – AHP, que consiste na elaboração de uma escala de importância entre os critérios utilizados na análise que, posteriormente, serão colocados em uma matriz de relacionamento para realizar uma comparação pareada para a percepção de que há uma hierarquia de importância entre os mesmos. Para determinar se a avaliação (validação dos pesos) foi bem-sucedida, calcularei a razão de consistência (RC). O valor obtido para a RC deve ser abaixo de 0,10, o que implica num ajuste pequeno em comparação com os valores brutos dos dados de entrada. Os índices serão elaborados agregando e contextualizando diferentes metodologias utilizadas para o mapeamento de riscos e vulnerabilidades socioambientais e de saúde, aos possíveis efeitos da mudança climática global no Brasil. O cálculo dos índices seguirá basicamente três etapas: 1. Atribuição de pontuações relativas graduais de 1 a 5 para as variáveis utilizando o método dos percentis; 2. Agregação das variáveis pontuadas por meio de média aritmética; 3. Padronização das médias para variarem de 0 a 1. A fim de se atingir um índice final para cada tipo de risco considerado as etapas 2 e 3 podem ser repetidas conforme a demanda.


Aluno Proposta do trabalho Monografia Apresentação Comentários
Raíssa Caroline dos Santos Teixeira monografia_popea_raissa_teixeira.pdf apresentacao_popea_raissa_teixeira_final.pdf


Trabalhos Finais em 2010
Trabalhos Finais em 2011
Trabalhos Finais em 2012
Trabalhos Finais em 2013
Trabalhos Finais em 2014
Trabalhos Finais em 2015
Trabalhos Finais em 2016
Trabalhos Finais em 2017
Trabalhos Finais em 2018
Trabalhos Finais em 2019


Navigation